• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.58.2013.tde-06022014-105902
Documento
Autor
Nome completo
Danilo Flamini Oliveira
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2013
Orientador
Banca examinadora
Ribeiro, Ricardo Faria (Presidente)
Ferracioli, Renata Cristina Silveira Rodrigues
Torres, Érica Miranda de
Título em português
Análise do desajuste vertical e do afrouxamento de parafusos de próteses sobre implante confeccionadas pelas técnicas do cilindro cimentado ou soldado a laser
Palavras-chave em português
afrouxamento de parafusos
assentamento passivo
cimentação passiva
soldagem a laser
Resumo em português
Este estudo avaliou próteses implantossuportadas obtidas por 2 técnicas (cilindro cimentado ou soldado a laser) e seus comportamentos no que tange à passividade e afrouxamento de parafusos. Foram confeccionadas PPFs de 3 elementos sobre 2 implantes: G1, técnica do cilindro cimentado; G2, técnica do cilindro soldado a laser (n=10). Avaliados níveis de desajuste vertical e passividade antes e após aplicação de cerâmica prensada e após ciclagem mecânica, e a perda de torque inicial dos parafusos de retenção protética antes e após fadiga. Ciclagem mecânica simulando 1 ano de função mastigatória normal (50N, 300.000 ciclos). Análises de desajuste vertical e passividade realizadas pelo método de Sheffield. Calculada % de perda de torque de inserção. Os dados de desajuste e perda de torque foram comparados estatisticamente pelo Modelo Linear de Efeitos Mistos. De modo geral, G1 apresentou níveis de desajuste vertical estatisticamente inferiores a G2 (p<0,05) nas três condições analisadas pelo teste de Sheffield, tanto antes quanto após ciclagem mecânica, atingindo valores máximos de desajuste correspondentes a: 11,94 ± 3,17μm (G1) e 48,63 ± 39,68 μm (G2), antes da ciclagem, 12,42 ± 6,19μm (G1) e 47,62 ± 35,16μm (G2), após a ciclagem, estando os parafusos parafusados. Adicionalmente, em todas as condições experimentais, a ciclagem mecânica não influenciou no desajuste de ambos os grupos (p<0,05), com exceção do molar em G1 quando analisado apertado (p<0,0001). Quando analisado G2, verificamos aumento estatisticamente significante do desajuste vertical após prensagem cerâmica para todos os elementos (p<0,0001) nos diferentes momentos avaliados, com exceção do molar quando avaliado solto, o qual apresentou desajustes semelhantes antes e após prensagem (p=0,052). Na análise de perda de torque, valores expressos em % de perda são apresentados: Pré-molar - G1- antes ciclagem: 31,04 ± 13,22%; G2- antes ciclagem: 33,97 ± 13,41% (G1 x G2 antes ciclagem: p=0,662); G1- após ciclagem: 42,36 ± 14,99%; G2- após ciclagem: 37,92 ± 9,32% (G1 x G2 após ciclagem: p=0,461). Quando analisado o pré-molar, não foram verificadas diferenças estatísticas antes e após ciclagem mecânica para ambos os grupos (G1: p=0,067; G2: p=0,423); Molar - G1- antes ciclagem: 30,77 ± 12,37%; G2- antes ciclagem: 44,37 ± 11,14% (G1 x G2 antes ciclagem: p=0,032); G1- após ciclagem: 39,28 ± 13,96%; G2- após ciclagem: 54,40 ± 26,39% (G1 x G2 após ciclagem: p=0,189). Quando analisado o molar, diferenças estatísticas também não foram identificadas antes e após ciclagem, para ambos os grupos (G1: p=0,392; G2: p=0,233). Diante dos resultados, é possível concluir que: G1 apresentou índices de desajuste vertical e passividade menores que G2, porém para ambos os grupos os desajustes estão dentro dos padrões aceitáveis pela literatura; ciclagem mecânica não promoveu alterações nos níveis de desajuste vertical e perda de torque (%) para ambos os grupos; ambas as técnicas não foram capazes de promover passividade absoluta, tendo em vista os maiores valores de desadaptação do lado solto quando comparados ao lado parafusado.
Título em inglês
Analysis of vertical misfit and screw loosening of implant-supported prosthesis obtained by cemented cylinder or laser welding technique
Palavras-chave em inglês
laser welding
luting passivity
passive fit
screw loosening
Resumo em inglês
This study evaluated implant supported prostheses obtained by two techniques (cemented cylinder or laser welded cylinder) and their behavior regarding passivity and screw loosening. Three-element FPPs were made over 2 implants: G1, cemented cylinder technique, G2, laser welded cylinder technique (n=10). The levels of vertical misfit and passivity were evaluated before and after ceramic pressing, and after mechanical cycling; while loss of initial torque of prosthetic retaining screws, before and after mechanical cycling. The mechanical cycling simulated one year of normal masticatory function (50N, 300,000 cycles). Vertical misfit and passivity were analyzed by Sheffield's test. The percentage of torque loss was calculated. The misfit and torque loss data were statistically compared by Mixed Linear Model . Overall, G1 showed vertical misfit statistically lower than G2 (p<0.05) in the three conditions analyzed by Sheffield's test, before and after mechanical cycling, reaching maximum values of misfit corresponding to: 11.94 ± 3.17μm (G1) and 48.63 ± 39.68 μm (G2) before cycling; 12.42 ± 6.19μm (G1) and 47.62 ± 35.16μm (G2), after cycling, when screws were tightened. Additionally, in all experimental conditions, the mechanical cycling did not influence the misfit in both groups (p<0.05), except for the molar G1 when analyzed in the tightened condition (p<0.0001). When was analyzed G2, statistically significant increase in the vertical misfit was found after ceramic pressing for all elements (p<0.0001) for different moments, except when the molar was not tightened, which showed similar misfit before and after pressing (p=0.052). In the analysis of torque loss, values expressed as percentage of loss are presented: Pre-molar - G1- before cycling: 31.04 ± 13.22%, G2- before cycling: 33.97 ± 13.41% (G1 x G2 before cycling: p=0.662), G1- after cycling: 42.36 ± 14.99%, G2- after cycling: 37.92 ± 9.32% (G1 x G2 after cycling: p=0.461). When the pre-molar was analyzed, statistical differences before and after cycling were not found for both groups (G1: p=0.067; G2: p=0.423); Molar - G1- before cycling: 30.77 ± 12.37%; G2- before cycling: 44.37 ± 11.14% (G1 x G2 before cycling: p=0.032); G1- after cycling: 39.28 ± 13.96%; G2- after cycling: 54.40 ± 26 , 39% (G1 x G2 after cycling: p=0.189). When the molar was analyzed, statistical differences were not found before and after cycling for both groups (G1: p=0.392; G2: p=0.233). Based on these results, it is possible to conclude that: G1 showed vertical misfit and passivity smaller than G2, but for both groups, the misfits are within acceptable standards for the literature; mechanical cycling did not change the vertical misfit and torque loss (%) for both groups; both techniques were not able to promote absolute passivity, in view of the higher values of misfit when compared to the side no tightened.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2014-10-01
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.