• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Disertación de Maestría
DOI
10.11606/D.59.2012.tde-04062012-102459
Documento
Autor
Nombre completo
César Augusto Savazzoni
Dirección Electrónica
Instituto/Escuela/Facultad
Área de Conocimiento
Fecha de Defensa
Publicación
Ribeirão Preto, 2012
Director
Tribunal
Furlan, Reinaldo (Presidente)
Andrade, Antonio dos Santos
Marques, Silene Torres
Título en portugués
Subjetividade e devir à luz da filosofia de Deleuze e Guattari: contribuições para uma psicologia
Palabras clave en portugués
Devir
Esquizoanálise
Produçao de subjetividade
Psicologia
Singularidade
Resumen en portugués
O presente trabalho teve como objetivo inicial abordar a questão da subjetividade considerando de um lado, este problema em relação à psicologia, e num segundo momento a discussão sobre a (produção de) subjetividade e devir desenvolvida na obra Deleuze e Guattari (Mil Platôs). Trata-se de entender como é possível articular a crítica dos processos de subjetivação, tal como a realizada pelos autores, com uma idéia de subjetividade, sem com isso desembocar numa psicologia do sujeito. Isto é, que subjetividade é essa, que não se confunde com suas estratificações, e que parece antes a possibilidade de uma vida, sem ser por isso uma subjetividade transcendental, mas um campo de imanência como afirmam os autores? Para respondermos esta questão, consideramos inicialmente o problema da subjetividade tal como ele emerge na psicologia, em razão de seus percursos teórico metodológicos, para num segundo momento - sob o viés dos agenciamentos e dos devires - discutirmos a questão da produção de subjetividade e os processos de singularização. De um lado, temos os agenciamentos maquínicos de corpos e os agenciamentos coletivos de enunciação, que articulando formal e substancialmente conteúdo e expressão atuam dimensionando o campo da experiência: os dispositivos. Por outro lado, temos os devires ou afectos, enquanto linhas de fuga que arrastam a subjetividade para zonas relacionais indiscerníveis que fazem vacilar o Eu na impessoalidade do Acontecimento. Portanto, é no campo das singularidades pré-individuais, nas relações entre forças que se compõe a experiência para além dos limites do perceptível. Ou seja, é a partir do entre-jogo das forças que se esboça a idéia de uma subjetividade (empírico-transcendental), simultaneamente: produto das relações de forças, e o próprio campo de forças que torna possível toda a relação entre as forças. Partindo desta perspectiva, cabe à psicologia fazer a cartografia dos afetos que são imanentes à constituição da subjetividade, segundo a qualidade das linhas (duras, maleáveis ou de fuga) e seus graus de intensidade. Não se trata de conceber uma teoria do sujeito, enquanto subjetividade substancializada no Eu, à moda da idade da representação. Para pensar em uma subjetividade livre do sujeito necessitamos pensá-la sobre o plano de composição das forças que tornam possível sua própria vida, forças estas sempre imanentes à própria experiência sensível com o mundo: hecceidades. O plano de imanência constitui o elemento genealógico da produção do real e que pode ser estudado sinteticamente por uma psicologia levando em conta as conexões, disjunções e conjunções que aí operam. Concluímos acreditando que essa discussão com Deleuze e Guattari poderá contribuir para com a psicologia, abrindo novas veredas, no sentido alçar luz sobre os processos que chamamos de subjetivação-dessubjetivação, tomados por nós como elementos-chave para uma análise da produção de subjetividade no mundo capitalista contemporâneo.
Título en inglés
Subjectivity and becoming enlightened by Deleuze and Guattaris Philosophy: contributions to the Psychology
Palabras clave en inglés
Psychology
Schizoanalysis
Subjectivity
Resumen en inglés
The present work had as its initial goal to approach the matter of subjectivity considering, on one side, that problem related to psychology, and, at a second moment, the discussion about (the production of ) subjectivity and becoming developed in the work of Deleuze e Guattari (A Thousand Plateaus). It is about understanding how it is possible to articulate the criticism of the processes of subjectification, as it is done by the authors, with an idea of subjectivity, without getting to a psychology of the subject, though. That is, what subjectivity is that, which doesnt mix with its stratifications, and that seems more like a possibility of a life, without being, because of that, a transcendental subjectivity, but an immanence field as the authors affirm? To answer that question, we initially considered the problem of subjectivity as it emerges from psychology, because of its theoretical-methodological ways, to, at a second moment based on the approach of agencying and becoming discuss the matter of the production of subjectivity and the processes of sigularisation. On one side, there is the machinic agencying of bodies and the collective agencying of enunciation, which, formally and substantially articulating content and expression, act in dimensioning the field of experience: the mechanisms. On the other side, we have the becomings or affections as lines of escape that drag subjectivity to undiscernible relational zones which make the I vacillate in the impersonality of the Happening. Therefore, it is in the field of pre-individual singularities, in the relations among forces that the experience beyond the limits of the perceivable is composed. That is, it is from the game between forces that the idea of a subjectivity (empirical-transcendental) is drafted, simultaneously: as a product of the relations of forces, and as the field of forces itself, which makes all the relation between the forces possible. From that point of view, it is psychologys role to trace the cartography of affections which are immanent to the constitution of subjectivity according to the quality of the lines (hard, malleable or of escape) and their degrees of intensity. It is not about conceiving a theory of the subject as subjectivity substantialised in the I, in the way of the representation age. To think of a subjectivity free of the subject we need to think of it in terms of the composition of forces that makes its own life possible, those forces always being immanent to the sensitive experience of the world: Hecceities. The ground of immanence constitutes the genealogical element of the production of the real and it can be studied synthetically by a psychology taking into consideration the connections, disjunctions and conjunctions which operate there. We concluded this work believing that this discussion with Deleuze and Guattari will be able to contribute with psychology, opening new ways, in the sense of casting light on the processes that we call subjectivation-dissubjectivation, taken by us as key-elements to an analysis of the production of subjectivity in the contemporary capitalist world.
 
ADVERTENCIA - La consulta de este documento queda condicionada a la aceptación de las siguientes condiciones de uso:
Este documento es únicamente para usos privados enmarcados en actividades de investigación y docencia. No se autoriza su reproducción con finalidades de lucro. Esta reserva de derechos afecta tanto los datos del documento como a sus contenidos. En la utilización o cita de partes del documento es obligado indicar el nombre de la persona autora.
mestradosavaz.pdf (593.71 Kbytes)
Fecha de Publicación
2012-07-25
 
ADVERTENCIA: Aprenda que son los trabajos derivados haciendo clic aquí.
Todos los derechos de la tesis/disertación pertenecen a los autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Tesis y Disertaciones de la USP. Copyright © 2001-2020. Todos los derechos reservados.