• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.59.2010.tde-23102013-153319
Documento
Autor
Nome completo
Bruno de Paula Rosa
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2010
Orientador
Banca examinadora
Romanelli, Geraldo (Presidente)
Caldana, Regina Helena Lima
Monteiro, Marko Synesio Alves
Título em português
Jovens solteiros: identidade, subjetividade e concepções acerca do casamento
Palavras-chave em português
Casamento
Homens
Masculinidade
Subjetividade
Resumo em português
Historicamente, a família vem passando por transformações e atualmente é difícil defini-la, pois ao lado da família nuclear - composta por pai, mãe e filhos - há várias outras configurações: famílias monoparentais, ampliadas, recompostas, casais homossexuais com filhos de relações anteriores ou adotados. Tal variedade de arranjos domésticos afeta relações familiares, espaços sociais ocupados por homens e mulheres e, por conseguinte, a própria posição masculina na família e na sociedade. A proposta deste projeto de pesquisa foi investigar como homens heterossexuais solteiros de camadas médias, de 25 a 35 anos, concebem sua masculinidade, como vivenciam e expressam seus sentimentos, as expectativas a respeito de relacionamentos afetivo-sexuais, suas concepções sobre casamento e a constituição de uma família. Foram entrevistados dez jovens, residentes na cidade de Ribeirão Preto - SP, com idades entre 26 e 31 anos. A coleta de dados foi realizada através de entrevistas semi-estruturadas gravadas e transcritas na íntegra e os dados foram analisados à luz de referenciais teóricos antropológicos e psicológicos. Tornar-se homem relaciona-se diretamente com assunção das responsabilidades esperadas do sexo masculino e a figura do provedor está ligada a duas esferas concretas: trabalho e família. Na construção da identidade masculina, relacionamentos com familiares e amigos, independência financeira e emocional em relação aos pais e valores como honestidade, responsabilidade, respeito e ética foram os aspectos mais citados. Conquistas pessoais, profissionais, materiais, afetivo-sexuais e a convivência com amigos do mesmo sexo foram apontadas como elementos positivos em suas vidas. Já fracassos pessoais e profissionais, dificuldades em relacionamentos com mulheres trazem à tona sentimentos de temor, relacionados inclusive com traição nas relações afetivas, com perda da virilidade e de impotência sexual. Os participantes apontaram como principal diferença entre homens e mulheres o lado racional masculino em contraposição ao lado emocional feminino. De modo geral, disseram se sentir muito bem sendo solteiros e assinalam como a maior vantagem dessa condição o fato de terem menos responsabilidades a assumir - especialmente para aqueles que ainda moram com os pais - o que possibilita acumular mais dinheiro para ser investido em planos futuros, como o próprio casamento. Para alguns deles, o casamento está diretamente ligado à constituição de uma família e à chegada de filhos. A maioria dos participantes mencionou o propósito de se casar e todos manifestaram o desejo de serem pais, inclusive aqueles que têm pais separados e não têm contato com o genitor. Observam-se dificuldades para conciliação de estereótipos sociais solidificados com novas identidades masculinas e femininas e sobre o que é exclusivo dos homens, uma vez que papéis masculinos e femininos estão mais próximos e muitas vezes se confundem. A expressão afetiva ainda está impregnada de preconceitos e restrições, entretanto se nota por parte dos entrevistados um maior contato com seus sentimentos. O casamento civil e religioso não possui valor imprescindível, contudo a união com a atual namorada ou com uma companheira futura é considerada fundamental para a construção da sua identidade enquanto homem
Título em inglês
Single young men: identity, subjectivity and conceptions about marriage
Palavras-chave em inglês
Marriage
Masculinity
Men
Subjectivity
Resumo em inglês
Historically, the familial institution has been going through modification and nowadays it´s difficult to define it because, besides the nuclear family - composed by father, mother and children - there are many other configurations: mono-parental families, extended families, recomposed families, homosexual couples with children of other relationships or adopted. This variety of domestic arrangements affects familial relations, social spaces occupied by men and women and consequently the male's function in the family and society. The proposal of this search project was to investigate how single heterosexual men of middle class, from 25 to 35 years old, conceptualizes their masculinity, how they live and express their feelings, the expectations about affective-sexual relationships, conceptions about marriage and the constitution of a family. Ten young men, from 26 to 31 years old, residents of the city of Ribeirão Preto - SP, were interviewed. The survey was made through semi-structured interviews recorded and transcribed word by word. The data were analyzed under the anthropological and psychological referential. Becoming a man is directly related to the assumption of male's expected responsibilities and the provider´s role is related to the concrete dimensions of work and the family. In the male's identity construction, relationships with family and friends, financial and emotional independence towards to parents and standards as honesty, responsibility, respect and ethic were the most chosen aspects. Personal, professional, material, affective-sexual accomplishments and friendship with male friends were pointed out as positive elements in their lives. Regarding personal and professional failures, difficulties in relations with women bring fear of betrayal in affective relationships, that might cause loss of virility and sexual impotence. The participants pointed male rationality in contraposition to female emotionality as the main difference between men and women. Generally they prefer to be single and mentioned the fact of having less responsibilities to assume as the biggest advantage of this condition - especially for those who still live with their parents - what allows them to save money to be invested in future plans. For some, marriage is directly related to family´s constitution and to have kids. Most of the participants mentioned the intention to get married and all of them manifested the desire of parenting, including those who have divorced parents and don´t have contact with their progenitors. There are difficulties to conciliate solidified social stereotype with new male and female identities and to distinguish exclusive aspects of men, because male and female roles are intertwined and sometimes become confused. Among the participants the expression of affection is still impregnated with prejudice and restrictions however is notable a great contact with their own feelings. The civil and religious marriage don´t have an essential value, nevertheless the union with the actual girlfriend or with a future partner is considered very important to the construction of male´s identity.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2014-02-21
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.