• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Thèse de Doctorat
DOI
10.11606/T.59.2019.tde-26092018-084956
Document
Auteur
Nom complet
Giovanna Cabral Doricci
Adresse Mail
Unité de l'USP
Domain de Connaissance
Date de Soutenance
Editeur
Ribeirão Preto, 2018
Directeur
Jury
Lorenzi, Carla Guanaes (Président)
Bava, Maria do Carmo Gullaci Guimarães Caccia
Bertagnoli, Marina Simões Flório Ferreira
Borges, Celiane Camargo
Matta, Gustavo Correa
Pereira, Maria José Bistafa
Titre en portugais
Humanização e Cogestão na Atenção Básica: as relações de trabalho no cotidiano
Mots-clés en portugais
Atenção básica ; Cultura organizacional ; Gestão em saúde ; Humanização ; Relações de trabalho
Resumé en portugais
A Política Nacional de Humanização (PNH) objetiva promover a Reforma Sanitária considerando como centrais as relações estabelecidas no cotidiano. Apesar de sua complexidade, a humanização, muitas vezes, é banalizada no cotidiano, mantendo-se como foco apenas a qualidade das relações entre profissionais de saúde e usuários. O âmbito da gestão, incluindo as relações de trabalho, é debatido no campo teórico, mas pouco explorado empiricamente. Esta pesquisa tem como objetivo compreender como a humanização da gestão, a partir do modelo adotado pela política (Cogestão), é considerada e praticada pelos profissionais no cotidiano da Atenção Básica. Delineamos como contexto de análise duas unidades de saúde, uma tradicional (Unidade Básica de Saúde - UBS) e uma com Estratégia Saúde da Família (Núcleo de Saúde da Família - NSF). A construção do corpus foi realizada em duas etapas. Na primeira, imersão no campo, realizamos observações registrando em notas de campo aspectos importantes do contexto e da interação entre os profissionais. Esta imersão nos forneceu subsídios para a segunda etapa, entrevistas grupais ou individuais, e para análise geral do corpus. Utilizamos roteiro semiestruturado nas entrevistas, construído a partir da análise dos diários de campo para abarcar as especificidades de cada contexto. As conversas foram gravadas em áudio e transcritas na íntegra. A análise dos diários objetivou descrever o modo de funcionamento de cada unidade, e a análise das entrevistas, descrever os sentidos sobre humanização da gestão e os sentidos sobre as práticas que os profissionais identificam como sendo humanização da gestão. Os resultados são apresentados para cada unidade a partir de três focos: o contextual, a dinâmica relacional e a produção de sentidos. Esses aspectos são analisados separadamente, embora na prática estejam imbricados e se retroalimentem. Descrevemos elementos contextuais e relacionais que contribuem ou dificultam a construção (no caso da UBS) ou manutenção (no caso do NSF) de uma cultura participativa e gestão compartilhada. Quanto aos sentidos, em ambos os contextos, a participação na tomada de decisões, o trabalho em equipe e a resolutividade das ações são identificados como sendo gestão humanizada, porém difere o que significam esses aspectos e suas práticas em cada unidade. Concluímos que, para haver uma gestão compartilhada, é necessário trabalhar as relações e o modo como os profissionais constroem sentido sobre elas. Somente criar momentos de conversa coletiva não geram, necessariamente, a participação e a gestão compartilhada, pois o modo como esses espaços irão funcionar depende diretamente da maneira como a equipe compreende e constrói a si mesma. Nossa tese descreve a cultura participativa, aspecto central da gestão compartilhada, como uma construção social, algo que se dá nas relações e na linguagem. Portanto, para se desenvolver um modelo de gestão compartilhada, é necessário trabalhar com os profissionais o processo grupal. A Psicologia Social, os estudos sobre grupos, e, em especial, a epistemologia construcionista social podem oferecer recursos para este trabalho de construção da cultura participativa. Assim, esperamos, com essa pesquisa, contribuir para o incremento da literatura e para a prática da cogestão no contexto da Atenção Básica.
Titre en anglais
Humanization and Co-management in Primary Health Care: the relationships in everyday work context
Mots-clés en anglais
Health management ; Humanization ; Organizational culture ; Primary health care ; Work relationships
Resumé en anglais
The National Humanization Policy (NHP) goal is to promote the Sanitary Reform focusing the centrality of daily relationships. Despite its complexity, humanization is often understood only as the quality of relationships between health professionals and users, thus undermining its potential. Management issues, including work relations, are debated in the theoretical field but little explored empirically. This research aims to understand how the humanization of management - based on the model adopted by the policy, the Co-management - is considered and practiced by health professionals in the daily work of Primary Care context. Two health units were included in the research, one traditional (Basic Health Unit - BHU) and one with the Family Health Strategy (Family Health Nucleus - FHN). The corpus construction was carried out in two stages. During the first one, immersion in the field, we observed some context aspects and the interaction of health professionals, which were written as field notes. This immersion provided subsidies for the second stage, group or individual interviews, and for general analysis of the corpus. A semi-structured script, which was constructed from the analysis of the field notes to cover each contexts specificities, guided the interviews. The conversations were audio-recorded and full transcribed. The analysis of field notes describes the way each health unit works, and the analysis of interviews describes the meanings about management humanization and the practices identified as such by health professionals. The results are separated for each unit, from three focuses: the contextual, the relational dynamics and the meaning-making process. These aspects are analyzed separately, although in practice they overlap. We describe contextual and relational elements that contribute to or hamper the construction (in the case of BHU) or maintenance (in the case of FHN) of a participatory culture and shared management. In regard of the meanings, in both contexts participation in decision-making, teamwork and actions focused in resolution of demands are identified as humanized management, but what these aspects and practices mean, differ in each context analyzed. We concluded it is necessary, in order to construct a co-management culture, to act on the stablished relationships, and, at the same time, on how professionals understand and signify their practices together. Moments of collective talk do not necessarily generate participation and shared management. It is how these moments work that matters and this will depend directly on how the team understands and builds itself. Our thesis describes participatory culture, a central aspect of co-management, as a social construction, something that occurs in relationships and language. Therefore, in order to develop a co-management model, it is necessary to work the group process involved in daily activities. Social Psychology, group studies, and especially social constructionist epistemology provide resources to work the group process in order to build participatory culture and comanagement. Therefore, we hope to contribute to increase the literature and the practice of co-management in Primary Care context.
 
AVERTISSEMENT - Regarde ce document est soumise à votre acceptation des conditions d'utilisation suivantes:
Ce document est uniquement à des fins privées pour la recherche et l'enseignement. Reproduction à des fins commerciales est interdite. Cette droits couvrent l'ensemble des données sur ce document ainsi que son contenu. Toute utilisation ou de copie de ce document, en totalité ou en partie, doit inclure le nom de l'auteur.
Date de Publication
2019-01-24
 
AVERTISSEMENT: Apprenez ce que sont des œvres dérivées cliquant ici.
Tous droits de la thèse/dissertation appartiennent aux auteurs
CeTI-SC/STI
Bibliothèque Numérique de Thèses et Mémoires de l'USP. Copyright © 2001-2020. Tous droits réservés.