• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
Documento
Autor
Nome completo
Érica Karoline Ferreira
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2019
Orientador
Banca examinadora
Silva, Zilda Pereira da (Presidente)
Almeida, Marcia Furquim de
Narchi, Nadia Zanon
Yazaki, Lucia Mayumi
Título em português
Perfil das mães imigrantes internacionais residentes no município de São Paulo
Palavras-chave em português
Gravidez
Imigração
Nascido Vivo
Saúde Materna
Sistema de Informação em Saúde
Resumo em português
Introdução: A imigração tem se tornado um grande desafio, o que exige, tanto dos países de origem quanto dos países receptores, esforços constantes em responder às necessidades dessas populações. Atualmente o município de São Paulo, polo de empregos, é um grande receptor de imigrantes, com grande volume de mulheres em idade reprodutiva. Sendo essas populações mais vulneráveis devido à dificuldade do acesso à saúde, por barreiras linguísticas e culturais, faz-se necessário um maior enfoque na saúde reprodutiva dessas mulheres. Objetivos: Analisar se existem diferenças na gestação, parto e nascidos vivos (NV) de imigrantes em comparação às brasileiras, segundo naturalidade. Métodos: Foi realizado um estudo transversal sobre nascidos vivos no município de São Paulo, entre 2012 e 2017, a partir dos dados do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc). Foram comparadas as características de mães imigrantes e brasileiras; foi analisada a evolução de NV de 11 nacionalidades, e para cinco (Bolívia, China, Paraguai, Angola e Peru) foram comparadas suas características com as brasileiras. Foram utilizadas medidas de tendência central e proporções e calculado teste de qui-quadrado com nível de significância de 5% Foram utilizados os softwares Excel e SPSS 17.0. Resultados: Do total de 998.205 NV, 3% são filhos de mães imigrantes. Não houve diferenças entre a idade média das mães imigrantes e brasileiras. Foi mais frequente entre as brasileiras: mães adolescentes (13,0%), idade >=35 anos (18,4%), ensino superior completo/incompleto (28,0%), raça/cor branca (50,7%), parto cesáreo (53,5%), >=7 consultas de pré-natal (77,1%), início precoce ao pré-natal (83,3%), baixo peso ao nascer (9,7%) e pré-termo (11,0%); todas as diferenças estatisticamente significantes (P<0,001). Entre as mães imigrantes foi maior: nenhuma ou baixa escolaridade (24,4%), ter companheiro (57,2%), multíparas (65,7%), com 1 ou mais gestações anteriores (65,6%), parto vaginal (65,7%), <=3 consultas de pré-natal (11,6%), início tardio ao pré-natal (7º mês em diante, 7%). Por nacionalidade destacaram-se maiores proporções de adolescentes entre bolivianas (13,1%), paraguaias (13,1%) e brasileiras (13,0%); as mães angolanas com ensino superior completo/incompleto (37,1%), multíparas (78,2%), 1 ou mais perdas fetais/aborto (33,0%), início tardio ao pré-natal (12,0%), <=3 consultas de pré- natal (17,6%), pré-termo (16,4%) e baixo peso ao nascer (14,9%). Entre as mães bolivianas, encontraram-se maiores proporções de parto vaginal (77,0%) e domiciliar (1,6%), RN pós-termo (3,6%) e peso >4000g (13,6%). Conclusão: Foram encontradas diferenças nos perfis das mães brasileiras e imigrantes segundo características sociodemográficas, da gestação, do parto e de nascidos vivos, assim como entre as diferentes nacionalidades das mães. É recomendável pensar em políticas públicas específicas para abranger os diferentes aspectos culturais dos diferentes grupos de mães, visando ampliar o acesso e obter melhores resultados para sua saúde reprodutiva.
Título em inglês
Profile of international immigrant mothers residing in the city of São Paulo
Palavras-chave em inglês
Health Information System
Immigration
Live Birth
Maternal Health
Pregnancy
Resumo em inglês
Introduction: Immigration has become a major challenge, requiring constant efforts by both countries of origin and receiving countries to meet the needs of these populations. Currently, the municipality of São Paulo is a large receiving of immigrants, with large numbers of women of reproductive age. As these populations are more vulnerable due to the difficulty of access to health, due to linguistic and cultural barriers, thus a greater focus on the reproductive health of these women is necessary. Objectives: To analyze if there are differences in gestation, delivery and live births (LB) of immigrants in comparison to Brazilians, according to their country origin. Methods: A cross-sectional study on live births was carried out in the city of São Paulo, between 2012 and 2017, based on data from the Live Birth Information System (Sinasc). The characteristics of immigrant and Brazilian mothers were compared; the evolution of live birth of 11 nationalities was analyzed, and for five (Bolivia, China, Paraguay, Angola and Peru) their characteristics were compared with the Brazilian ones. Measurements of central tendency and proportions were used and chi-square test with significance level of 5%; processed in Excel and SPSS 17.0. Results: Of the total of 998,205 live birth, 3% are children of immigrant mothers. There were no differences between the average age of immigrant and Brazilian mothers. It was more frequent among Brazilian women: adolescent mothers (13.0%), age >=35 years (18.4%); higher education (28.0%), race/color white (50.7%), cesarean section (53.5%), >=7 prenatal appointment (77.1%), early prenatal care (83.3%), low birth weight (LBW) (9.7%) and preterm LB (11.0%), all differences were statistically significant (p<0.001). Among the immigrant mothers, the highest proportions were: none or low schooling (24.4%), with partner (57.2%), multiparous (65.7%), 1 or more previous pregnancies (65.6%), vaginal delivery (65.7%), <=3 prenatal appointment (11.6%), late onset to prenatal care (7th month onwards, 7%). By nationality, the highest proportions of adolescents were: Bolivians (13.1%), Paraguayans (13.1%) and Brazilians (13.0%); the Angolan mothers were high education (37.1%), multiparous (78.2%), 1 or more fetal losses/abortion (33.0%), late onset to prenatal care (12.0%), <=3 prenatal appointments (17.6%), preterm birth (16.4%) and LBW (14.9%). Among the Bolivian mothers, were found higher proportions: vaginal birth (77.0%) and home birth (1.6%), post-term LB (3.6%) andweight >4000g (13.6%). Conclusion: Differences were found in profiles of Brazilian and immigrant mothers according to sociodemographic, gestation, delivery and live births characteristics, as well as the different nationalities of the mothers. It is recommended to think about specific public policies to cover the different cultural aspects of the different groups of mothers, in order to increase access and obtain better results for their reproductive health.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
FerreiraEK_MTR_R.pdf (1.98 Mbytes)
Data de Publicação
2019-11-07
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.