• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Mémoire de Maîtrise
DOI
10.11606/D.7.2007.tde-22062007-085851
Document
Auteur
Nom complet
Gianne Carvalho de Sousa
Adresse Mail
Unité de l'USP
Domain de Connaissance
Date de Soutenance
Editeur
São Paulo, 2007
Directeur
Jury
Takahashi, Renata Ferreira (Président)
Fracolli, Lislaine Aparecida
Humerez, Dorisdaia Carvalho de
Titre en portugais
O agente comunitário de saúde e a saúde mental: percepções e ações na atenção às pessoas em sofrimento mental
Mots-clés en portugais
Agente comunitário de saúde
Programa Saúde da Família
Saúde mental
Resumé en portugais
A inserção de ações da Saúde Mental no Programa Saúde da Família (PSF) é recente e está restrita a alguns locais. O conhecimento existente acerca das atividades das Equipes de Saúde Mental no PSF é escasso, assim como sobre a atuação dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) no âmbito da Saúde Mental. Nessa perspectiva, a presente investigação, de natureza qualitativa, teve como objetivo verificar as concepções do ACS a respeito do sofrimento mental e identificar as ações que realiza após detectar pessoas com este tipo de sofrimento no território em que desenvolve suas atividades. O estudo foi norteado pelos pressupostos da estratégia do Programa Saúde da Família, da Reforma Psiquiátrica e da Vulnerabilidade. Os dados foram coletados através de entrevistas individuais e semi-estruturadas, com doze ACS de Unidades de Saúde da Família (USF) da região sudeste do município de São Paulo. Na análise temática dos dados foram definidos dois núcleos temáticos: a compreensão do sofrimento mental e as práticas dos ACS na atenção em saúde mental do PSF. As concepções sobre sofrimento mental estão relacionadas às formas de identificação, suas causas e tratamentos. O ACS identifica as situações de sofrimento mental através de solicitações dos usuários, por meio de informações das pessoas da comunidade e através da observação dos comportamentos das pessoas. Dentre as várias causas do sofrimento mental, os ACS destacam, como principais, as condições socioeconômicas, configuradas por uma vida marcada por privações e violência. As ações realizadas pelos ACS, no âmbito da Saúde Mental, são: complementar e aprofundar as informações sobre as famílias com pessoas em sofrimento mental, compartilhá-las com a Equipe de Saúde da Família e Equipe de Saúde Mental e participar da elaboração e execução das estratégias de atenção às famílias. Para o ACS estas estratégias devem contemplar, principalmente, a utilização de psicofármacos e a realização de atividades (trabalho, estudo, caminhadas entre outras). Os ACS referiram a emergência de sentimentos na atenção às pessoas em sofrimento mental, que podem compor barreiras a seu trabalho, como: medo de serem agredidos e de agirem de forma incorreta e dificuldades em se relacionar com o sofrimento das pessoas. Os ACS sugerem que haja mais capacitação e apoio para o desenvolvimento de seu trabalho. Conclui-se que as concepções dos ACS sobre sofrimento mental orientam a identificação das pessoas nessa situação, principalmente aquelas que não chegam espontaneamente aos serviços de saúde. A condição dos ACS, de moradores do mesmo território em que trabalham, lhes proporciona um conhecimento diferenciado sobre o contexto das famílias, que muito contribui na identificação das situações de sofrimento mental bem como da elaboração das estratégias de ação. Pelas ações que desenvolvem no território, como promoção e atenção às pessoas com sofrimento mental e suas famílias, os ACS podem ser considerados protagonistas da Reforma Psiquiátrica Brasileira. Assim, a ampliação das ações de saúde mental no PSF deveria ocorrer em todo o território brasileiro
Titre en anglais
The community health agent and mental health: perceptions and actions in mental health people attention
Mots-clés en anglais
Community health agent
Family Health Program
Mental health
Resumé en anglais
The introduction of Mental Health Team (MHT) in the Family Health Program (FHP) is recent and restricted to a few places. The knowledge about MHT activities in the FHP is limited and so are the Community Health Agents (CHA) actions in mental health area. From this perspective, the present qualitative research aimed to examine the CHA conceptions about mental illness people and identify their actions after discovering people with this kind of illness in their work area. The research was based on the Family Health Program strategies, Brazilian Psychiatric Reform and Vulnerability. The data were collected from individual and semi-structured interviews with twelve CHA of Family Health Center (FHC) in the Southwest regions of São Paulo City. Two thematic centers were identified through thematic analysis: the mental illness identification and the CHA actions in FHP mental health attention. The conceptions about mental illness were connected to its forms of identification , causes and treatments. The CHA identified mental illness situations through people' s solicitations, community information and observation of people's behaviour. Among some mental illness causes, the CHA emphasize the socioeconomic conditions, characterized by a poor life and violence. The CHA actions in mental health area are: to complete and deepen information about families whose members suffer from any mental illness , to share them with Family Health Team and Mental Health Team, and to take part in formulation and execution of family attention strategies. For CHA these strategies involve, mainly, use of medicine and performance of activities (job, study, walking etc.). The CHA referred to the emergence of feelings during the mental illness people attention process,, such as: fear of physical aggression, wrong actions and difficulties in dealing with suffering people, which can make it difficult. The CHA suggest that there is more education and technical support in the development of their job. In conclusion, the CHA conceptions about mental illness guide the identification of people with this problem, mainly people who do not spontaneously seek for health service help. Living in the same place where they work, give the CHA a special knowledge about family context, which contributes a lot in strategy action formulation. For their actions in promoting and giving attention to mental illness people and their families, the CHA can be considered Brazilian Psychiatric Reform entrepreneurs. So, mental health actions could be widely performed all over Brazil
 
AVERTISSEMENT - Regarde ce document est soumise à votre acceptation des conditions d'utilisation suivantes:
Ce document est uniquement à des fins privées pour la recherche et l'enseignement. Reproduction à des fins commerciales est interdite. Cette droits couvrent l'ensemble des données sur ce document ainsi que son contenu. Toute utilisation ou de copie de ce document, en totalité ou en partie, doit inclure le nom de l'auteur.
Gianne_Carvalho.pdf (1.52 Mbytes)
Date de Publication
2007-07-10
 
AVERTISSEMENT: Apprenez ce que sont des œvres dérivées cliquant ici.
Tous droits de la thèse/dissertation appartiennent aux auteurs
Centro de Informática de São Carlos
Bibliothèque Numérique de Thèses et Mémoires de l'USP. Copyright © 2001-2020. Tous droits réservés.