• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.7.2011.tde-17082011-102618
Documento
Autor
Nome completo
Tatiana Yonekura
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2011
Orientador
Banca examinadora
Soares, Cassia Baldini (Presidente)
Cruz, Dina de Almeida Lopes Monteiro da
Facchini, Luiz Augusto
Título em português
A operacionalização do conceito de classe social na epidemiologia: uma revisão sistemática
Palavras-chave em português
Classe social
Desigualdade social
Epidemiologia
Processo Saúde-doença
Revisão sistemática
Saúde Coletiva
Resumo em português
Os objetivos deste estudo foram: descrever e analisar as produções científicas internacionais e nacionais que tratam da operacionalização do conceito de classe social na epidemiologia e da relação entre classe social e processo saúde-doença. Partiu-se dos fundamentos da Saúde Coletiva, como referencial teórico, que toma como sujeito a categoria classe social, entendendo que a utilização deste conceito na epidemiologia é importante e relevante para o estudo das desigualdades sociais. O estudo é uma revisão sistemática teórica e quantitativa, sendo que os procedimentos metodológicos seguem as recomendações do Joanna Briggs Institute (JBI). A revisão teórica foi utilizada para encontrar os modelos de classe social e a revisão quantitativa para evidenciar a relação classe social e processo saúde-doença. Foram selecionadas 16 bases de dados na área de ciências sociais, saúde e multidisciplinar para a busca bibliográfica, além de descritores e palavras para a seleção dos estudos. Era necessária a descrição de um modelo operacional de classe social para a inclusão do estudo teórico. Já na parte quantitativa, o critério era realização de estudo epidemiológica do tipo coorte ou caso-controle com a utilização de um modelo de classe. Após a elaboração de estratégias de busca, 22.314 estudos foram encontrados e 5.994 estudos foram pré-selecionados e armazenados em um gerenciador de bibliografia. Após a exclusão de 2.377 estudos duplicados e 49 não disponíveis online, 1890 estudos foram lidos na íntegra. Em relação à parte teórica, 28 trabalhos foram incluídos, sendo que nove latino-americanos, quatro americanos e 15 europeus. Mais da metade dos estudos foram publicados nas décadas de 70 e 80. É possível identificar dois critérios que diferenciaram as classes e subsidiaram a elaboração dos modelos latino-americanos: a inclusão de variáveis relacionadas ao poder de consumo e outras relacionadas à inserção no processo de produção. Já os modelos teóricos americanos e europeus utilizaram predominantemente variáveis relacionadas à inserção no processo de produção. Em relação aos resultados quantitativos, 123 estudos foram incluídos, sendo 108 estudos de coorte (87,8%) e 15 do tipo caso-controle (12,2%). A maioria dos estudos epidemiológicos mostrou associações positivas entre classe social e saúde, além de problemas de saúde mais prevalentes entre as classes classificadas como aquelas com menor acesso à riqueza social. Considerando as dificuldades na identificação das desigualdades sociais na contemporaneidade, os modelos de classe social devem contemplar as características socioeconômicas nacionais e regionais de cada país, além das mudanças no mundo do trabalho e suas especificidades. Os estudos epidemiológicos devem considerar a utilização da categoria classe social para identificação das desigualdades sociais e assim dar respostas adequadas às necessidades de saúde, compreendidas, a partir das considerações teóricas da Saúde Coletiva, como necessidades sociais mais amplas.
Título em inglês
The measurement of social class in epidemiology: a systematic review
Palavras-chave em inglês
Collective Health
Epidemiology
Health Disease Process
Social Class
Systematic Review
Resumo em inglês
The objectives of this study were to describe and analyze the international scientific production dealing with the measurement of social class in epidemiology and the relationship between social class and health disease process. This essay had as theoretical framework the concepts underlying the field of Collective Health that takes social class as one essential analytical category. The study is a theoretical and quantitative systematic review, which follows the methodological recommendations of the Joanna Briggs Institute (JBI). Theoretical search was used to find models of social class and quantitative search was used to evidence the relation between social class and health disease process. Inclusion criteria were: description of a model of social class used in epidemiological studies and case-control and cohort studies that used a model of social class. We selected 16 databases in social sciences, health care and multidisciplinary for literature search, and multiple combinations of key words for the selection of studies. After the development of search strategies for each database, 22.314 studies were found and 5.994 studies were pre-selected and stored in a bibliography manager. After exclusion of 2.377 duplicate and 49 unavailable studies, 1.890 papers were read in full. In relation to theoretical results, 28 papers were included, of which nine were Latin American, four American and 15 European. More than half of the studies were published in the 70's and 80's. It is possible to identify the main criteria that differentiate the classes and that support the development of the models: the inclusion of variables related to insertion in the production process. In relation to quantitative results, 123 studies were included, of which 108 were cohort studies (87,8%) and 15 case-controls (12,2%). Most studies showed positive associations between social class and health, as well as higher prevalence of health problems among the lower classes. There is a need to measure the concept of classes, considering changes in the contemporary world of work, overcoming the difficulties of this theoretical and methodological reference. Epidemiological studies should consider the use of social class category to identify health inequalities and thus provide answers that actually respond to health needs of the different social classes.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Tatiana_Yonekura.pdf (1.23 Mbytes)
Data de Publicação
2011-08-18
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.