• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.8.2012.tde-04072012-132838
Documento
Autor
Nome completo
Rafael Faleiros de Padua
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2012
Orientador
Banca examinadora
Carlos, Ana Fani Alessandri (Presidente)
Alves, Manoel Antonio Lopes Rodrigues
Andrade, Margarida Maria de
Lencioni, Sandra
Serpa, Angelo Szaniecki Perret
Título em português
Produção e consumo do lugar: espaços de desindustrialização na reprodução da metrópole
Palavras-chave em português
cidade
industrialização
produção do espaço
reprodução da metrópole
segregação
urbanização
vida cotidiana
Resumo em português
Presenciamos hoje em São Paulo uma expansão acelerada do setor imobiliário (incorporadoras, construtoras, imobiliárias) para regiões tradicionalmente industriais da metrópole que sofrem, a partir da década de 1990, profundas reestruturações em suas atividades, com o retraimento da atividade industrial. Esse movimento se deve à progressiva escassez de terrenos nas regiões mais valorizadas da cidade para a incorporação imobiliária, contexto no qual os espaços de desindustrialização aparecem como lugares propícios para este avanço, pois contam com grande disponibilidade de terrenos e localização relativamente privilegiada em relação a regiões mais valorizadas e eixos viários importantes. O nosso estudo busca apreender o movimento de transformação de lugares cuja urbanização foi profundamente marcada pela grande industrialização ocorrida a partir da década de 1950, em lugares que atualmente são forjados pelos agentes hegemônicos da produção do espaço (Estado e empreendedores imobiliários privados) como localizações privilegiadas na metrópole. Estudamos a expansão do setor imobiliário sobre a Vila Leopoldina e Santo Amaro, que se tornam no momento atual objeto das estratégias dos agentes hegemônicos da produção do espaço no sentido da formação de novas fronteiras econômicas na cidade de São Paulo. O discurso hegemônico busca sedimentar a idéia de que a construção de novos empreendimentos residenciais nesses lugares se trata de uma revitalização dos lugares, como se se tratasse de um espaço vazio, como se os lugares não contassem com moradores e uma vida social ligada ao cotidiano desses moradores. Desenvolvemos a hipótese de que nesse processo, há um aprofundamento da fragmentação e da segregação na vida urbana, já que se constituem nos lugares novas desigualdades e descompassos entre o novo e o que permanece. Nosso ponto de partida é a prática socioespacial, tentando visualizar como o processo de transformação se realiza na vida dos moradores, numa intrincada relação das mudanças na paisagem com as mudanças nas relações sociais no lugar. Nesse processo, verificamos que há a destituição dos espaços habituais de sociabilidade dos moradores, com a imposição de um novo ritmo aos lugares, com a chegada dos grandes condomínios-clube voltados para classes com maior poder de consumo. Trata-se da imposição de uma sociabilidade baseada no alto-consumo, a vida circunscrita a espaços fechados (casa, trabalho, shopping, clube, etc.) cujo acesso se faz com o deslocamento de carro pela cidade. Nesse movimento, a segregação se realiza não somente quando a população tradicional do lugar é expulsa do lugar (seja compulsória e arbitrariamente seja pela valorização do espaço), mas se realiza também quando os próprios moradores antigos dos lugares passam a viver os lugares como exterioridade, quando não podem mais usufruir dos seus espaços tradicionais do cotidiano. Grande parte da vizinhança não permanece no lugar, novos comércios voltados para outro padrão de consumo se instalam nas pequenas casas, há o aumento do fluxo de carros, a imposição de outro ritmo aos lugares. É a perda de laços e referências concretas dos moradores, numa transformação radical e rápida dos lugares, na sua paisagem e em seus conteúdos. Os lugares vão perdendo uma unidade residual que pudessem ainda conter, para serem integrados aos mecanismos mais gerais da reprodução da metrópole. Do ponto de vista da realização do setor imobiliário, é produzido um novo lugar, com discursos ideológicos potentes (sustentabilidade, qualidade de vida, segurança) que mascaram os conteúdos do processo social e naturalizam a segregação produzida. Esses aparatos ideológicos difundem e justificam uma determinada prática socioespacial que se impõe como norma, se realizando para uns como consumo do espaço e para outros como privação do espaço. Para os pobres e as comunidades carentes dos lugares, o processo é vivido como a mais radical segregação, numa ameaça contínua e violenta da expulsão do seu lugar. Essas populações são expulsas ou sofrem violentas pressões para a sua saída dos lugares, mas há resistências que trazem para a nossa análise elementos concretos da cidade como o lugar da reprodução da vida, mostrando que a luta pela permanência no lugar pode apontar para outras lutas que transcendem a luta pela moradia, apontam para a luta por uma outra cidade possível.
Título em inglês
production and consumption of area: spaces of deindustrialization in the reprodution of the metropolis
Palavras-chave em inglês
everyday life
industrialization
production of space
reproduction of the metropolis
segregation
urbanization
Resumo em inglês
In todays São Paulo, we can observe a pronounced expansion of real estate activity (led by developers, builders, brokers) to previously industrial areas of the city that have experienced, since the 1990s, far-reaching restructurings in their economic conditions with the decline in industrial activities. This trend is triggered by the lack of developable land in the most valuable areas of the city, which makes areas of deindustrialization attractive due to the existence of developable land plots and their proximity to valuable sections of the city and key thoroughfares. This study aims to understand changes in areas where urbanization has been deeply marked by industrialization from the 1950s on and that now are being converted into privileged locations by hegemonic agents involved in the production of space (the state and private developers). We have studied the real estate sectors expansion to Vila Leopoldina and Santo Amaro, two districts that have become targets for hegemonic agents of the production of space interested in developing new economic frontiers in São Paulo. Their hegemonic discourse attempts to promote the idea that, by building new residential developments, they are revitalizing the neighborhood, as if this area was unoccupied, as if there were neither inhabitants nor a social life tied with the inhabitants life in the area. We have put forward the hypothesis that this process has intensified the fragmentation and segregation of urban life, since it has given rise to new inequalities and asymmetries between the new and what has remained from a previous time. Our starting point is the socio-spatial practice. We have tried to look at how this process of change has affected residents lives in a complex interaction between changes in the landscape and changes in social relations. We have verified the dissolution of the neighborhoods habitual places of sociability due to the imposition of new rhythms with the appearance of large condominiums for upper-income social strata. What has emerged is a sociability based on high-end consumption in which daily life becomes restricted to indoor spaces (home, work, shopping mall, club, etc) spatially connected with the use of cars. These circumstances produce segregation not only because the traditional residents are displaced (either compulsorily or by rising property prices), but also because the old residents experience their place as foreign, because they cannot enjoy their traditional spaces. Most neighbors leave, new high-end stores open in small houses, traffic increases and new rhythms are imposed. All this loosens the neighbors ties and suppresses their concrete references, bringing about a rapid and profound transformation of the place, of its landscape and its meanings. The place loses any remaining unity it might still have and becomes integrated into the more general mechanisms of the reproduction of the metropolis. From the standpoint of the real estate sector, a new place is produced, wrapped up in an efficient ideological rhetoric (sustainability, quality of life, security) that obscures the actual contents of the social process and naturalizes segregation. These ideological apparatuses promote and justify a certain socio-spatial practice that becomes the norm. For some, this norm materializes in spaces of consumption, whereas for others it amounts to a deprivation of space. For the poor households and communities that remain in such places, these changes are experienced as the most profound segregation, especially in the permanent and ruthless threat of displacement. These people are either evicted or put under pressure to leave the area. But resistance springs up, thus bringing to our analysis a concrete illustration of the city as the place of the reproduction of life and demonstrating that the struggle to stay put can point to other struggles that, by moving beyond the demand for housing, suggest another city is possible.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2012-07-04
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.