• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Disertación de Maestría
DOI
10.11606/D.8.2014.tde-03102014-164144
Documento
Autor
Nombre completo
José Ailton Dutra Junior
Dirección Electrónica
Instituto/Escuela/Facultad
Área de Conocimiento
Fecha de Defensa
Publicación
São Paulo, 2014
Director
Tribunal
Coggiola, Osvaldo Luis Angel (Presidente)
Farah, Paulo Daniel Elias
Zagni, Rodrigo Medina
Título en portugués
O Líbano e o nacionalismo árabe (1952-1967): o nasserismo como projeto para o mundo árabe e o seu impacto no Líbano
Palabras clave en portugués
Cristãos
Líbano
Liberalismo
Maronitas
Muçulmanos
Nacionalismo Árabe e Nasser
Sunitas
Resumen en portugués
O presente estudo tem por finalidade descrever a interação conflituosa entre o nacionalismo árabe e o Líbano entre 1952 e 1967. Nesses anos ocorreu a ascensão do nacionalismo árabe, que teve na figura do presidente egípcio Gamal Abdel Nasser a sua principal liderança. Seu objetivo era promover a luta dos povos de língua árabe contra a dependência tecnológica e dominação econômica e/ou política dos países capitalistas centrais, situados na Europa Ocidental e América do Norte. Bem como desenvolver suas sociedades e combater os setores conservadores internos, aliados dos poderes capitalistas ocidentais e pouco interessados em uma modernização mais profunda ou uma grande melhoria nos padrões de vida das classes populares. O objetivo último dos nacionalistas árabes era a unidade de todos os povos árabes em algum tipo de estrutura estatal. No Líbano a ideia da unidade árabe era mais difícil de realizar, pois uma parcela importante da sua população, os cristãos maronitas, não se viam como árabes e buscaram criar um estado separado para eles no começo do século XX, com apoio de uma potência colonial europeia com quem se identificavam e tinha laços históricos: a França. No entanto, para que o Líbano pudesse existir como estado independente viável economicamente, após a II Guerra Mundial, tiveram os cristão maronitas de entrar em acordo com a população muçulmana, particularmente os sunitas, e aceitar que o Líbano tinha uma face árabe. Esse acordo, conhecido como o Pacto Nacional, garantiu a existência do Líbano e permitiu que este se tornasse um entreposto comercial e financeiro no Oriente Médio, algo desejado tanto por suas elites cristãs (maronita e outras), como pelas muçulmanas. Mas, enquanto o Líbano experimentava um grande crescimento econômico na década de 1950, as suas regiões muçulmanas eram mantida em grande parte alheias a esse crescimento. O resultado foi o seguinte: as populações muçulmanas passaram a questionar a preponderância cristã e viram em Nasser e no nacionalismo árabe um meio para isso. Suas lideranças tiverem que segui-las, enquanto a população cristã, particularmente os maronitas, sentia-se ameaçada. Estas tensões, mescladas às ambições do presidente Camille Chamoun e ao cenário da Guerra Fria, conduziram a guerra civil de 1958. Posteriormente, entre 1959 e 1964, em um governo de unidade nacional, o Presidente Fuad Chehab tentou promover a unidade nacional, fazer investimentos do estado nas regiões muçulmanas, criar um esboço de segurança social e regular o liberalismo desenfreado do país. Seu fracasso parcial e o mau tratamento da população de refugiados palestinos por suas forças de segurança abriu caminho para a grande guerra civil de 1975-1990
Título en inglés
Lebanon and the Arab Nationalism (1952-1967): Nasserism as a project for the Arab World and its impact on Lebanon
Palabras clave en inglés
Christians
Lebanon
Liberalism
Maronites
Muslims
Nasser and Arab nationalism
Sunni
Resumen en inglés
The present study aims at describing the conflicting interaction between Arab nationalism and Lebanon between 1952 and 1967. Those years was the rise of Arab nationalism, which had the figure of Egyptian President Gamal Abdel Nasser your primary leadership. His goal was to promote the struggle of the Arabic speaking people against technological dependence and economic domination and / or policy of the central capitalist countries located in Western Europe and North America. As well as developing their societies and combat domestic conservative sectors, allies of Western capitalist powers and little interested in a deeper upgrade or a major improvement in living standards of the working classes. The ultimate aim of Arab nationalists was the unity of all Arab peoples in some kind of state structure. In Lebanon the idea of Arab unity was more difficult to accomplish, because a significant portion of its population, the Maronite Christians, do not see themselves as Arabs and sought to create a separate state for them in the early twentieth century, with the support of a colonial power European with whom identified themselves and had historical ties: France. However, that Lebanon could exist as economically viable independent state after World War II, Christian Maronites had to come to terms with the Muslim population, particularly the Sunnis, and accept that Lebanon was an Arab face. This agreement, known as the National Pact, ensured the existence of Lebanon and allowed it to become a commercial and financial entrepot in the Middle East, something desired by both her Christian elites (Maronite and other), and by Muslims. But while Lebanon was experiencing great economic growth in the 1950s, its Muslim regions were maintained in large part unrelated to this growth. The result was as follows: Muslim populations began to question the Christian dominance and saw in Nasser and Arab nationalism means for this. Their leaders have to follow them, while the Christian population, particularly the Maronites, felt threatened. These tensions, merged the ambitions of President Camille Chamoun and the scenario of the Cold War, led to civil war in 1958. Later, between 1959 and 1964 in a government of national unity, President Fuad Chehab tried to promote national unity, make investments state in Muslim regions, create an outline of social security and regular liberalism rampant in the country. Its partial failure and poor treatment of the population of Palestinian refugees by its security forces paved the way for the great Civil War 1975-1990
 
ADVERTENCIA - La consulta de este documento queda condicionada a la aceptación de las siguientes condiciones de uso:
Este documento es únicamente para usos privados enmarcados en actividades de investigación y docencia. No se autoriza su reproducción con finalidades de lucro. Esta reserva de derechos afecta tanto los datos del documento como a sus contenidos. En la utilización o cita de partes del documento es obligado indicar el nombre de la persona autora.
Fecha de Publicación
2014-10-03
 
ADVERTENCIA: Aprenda que son los trabajos derivados haciendo clic aquí.
Todos los derechos de la tesis/disertación pertenecen a los autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Tesis y Disertaciones de la USP. Copyright © 2001-2019. Todos los derechos reservados.