• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.8.2017.tde-07062017-082029
Documento
Autor
Nome completo
Manuel David Diatkine
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2017
Orientador
Banca examinadora
Novinsky, Anita Waingort (Presidente)
Albieri, Sara
d'Adesky, Jacques
Iegelski, Francine
Munanga, Kabengele
Título em português
Racismo, anti-racismo, nação: estudo sobre a obra de Pierre-André Taguieff
Palavras-chave em português
Antirracismo
Antissemitismo
Racismo
Resumo em português
O estudo responde às seguintes perguntas: quais foram as etapas que levaram à ruptura entre Pierre-André Taguieff e a esquerda intelectual antirracista francesa? Em qual medida essa ruptura pode nos fornecer elementos de compreensão da história do antirracismo na França, em particular no caso do antirracismo dos intelectuais, desde os anos 1970 até a década de 2010? O primeiro capítulo focaliza as fontes, a metodologia história das ideias e história do tempo presente, a historiografia do racismo e do antirracismo , e enfim P.-A. Taguieff, historiador das ideias racistas, um aspecto de sua obra que será deixado de lado no resto do trabalho. A década de 1980 é o tema do capítulo II. P.-A. Taguieff se torna famoso por suas análises dos discursos da chamada Nouvelle Droite e do Front National, partido que propôs o conceito de nacional-populismo. Avança um modelo ideal-típico da confrontação racismo antirracismo: o antirracismo diferencialista confrontar-se-ia prioritariamente com o racismo universalista, e o antirracismo universalista com o racismo diferencialista. O assunto do capítulo III é a tentativa por P.-A. Taguieff de pensar um antirracismo republicano na década de 1990; isto é articulado à noção de nação cívica, e não étnica. É essa evolução que o leva a romper com a maioria da esquerda política e intelectual. No final dessa década, inicia uma reflexão aprofundada sobre a noção de progresso e sobre o progressismo, que interpretamos como uma reflexão sobre os motivos de sua própria ruptura com a esquerda. Os capítulos IV e V se referem aos anos posteriores a 2000. No capítulo IV, abordamos a querela da nova judeofobia, isto é, o papel fundamental jogado por P.-A. Taguieff na identificação da difusão de um novo racismo judeófobo na França. Estudamos as reações hostis, essencialmente por parte de intelectuais de esquerda preocupados com a necessidade de não estigmatizar os jovens. No capítulo V, evocamos dimensões do debate contemporâneo na França em torno do racismo e do antirracismo. Mostramos que o antirracismo deixou de ser um universo intelectual e político coerente. Ao contrário, dividiu-se e, portanto, se enfraqueceu. Esta divisão e este enfraquecimento contribuem a explicar uma parte uma parte somente das evoluções eleitorais recentes da França. Enfim, o capítulo VI, conclusivo, se interroga sinteticamente sobre o que evoluiu e o que não evoluiu na reflexão e na produção intelectual de P.-A. Taguieff. Concluímos, primeiro, que P-A. Taguieff ficou fiel a uma concepção patriótica do antirracismo, enraizada da tradição do republicanismo francês, exatamente a tradição que muitas correntes da esquerda política e intelectual pretendem ultrapassar, em nome do multiculturalismo, do cosmopolitismo, da convergência das lutas; e, segundo, que desde os primeiros textos suas intervenções no debate público visam a defender a pluralidade das ideias, condição da existência de uma verdadeira esfera do debate público.
Título em inglês
Racism, anti-racism, nation: a study on Pierre-André Taguieff´s contribution to the theory of racism
Palavras-chave em inglês
Antiracism
Antisemitism
Racism
Resumo em inglês
This study answers the following questions: What were the steps that led to the rupture between Pierre-André Taguieff and the French intellectual antiracist Left? To what extent can this split provide us with elements to understand the history of anti-racism in France, in particular in the case of the anti-racism of intellectuals from the seventies to the 2010 decade? The first chapter focuses on the sources, the methodology - the history of ideas and the history of present times, the historiography of racism and anti-racism - and at last, P.-A. Taguieff, the historian of racist ideas, an aspect of his work that will be left aside in the rest of the paper. The 1980 decade is the theme of chapter II. P.-A. Taguieff becomes famous for his analysis of the discourses of the so-called New Right and the National Front. To describe this party, he proposes the national-populist concept. He advances a typical ideal model of confrontation of racism - anti-racism: the differentialist anti-racism would, by way of priority, oppose itself to the universalist racism, and universalist anti-racism to the differentialist racism. Chapter III is about P.-A. Taguieff's attempt to consider a republican anti-racism in the 1990 decade, i.e., articulated around the notion of a civic nation, not ethnic. It is this evolution that leads him to break off with the majority of the intellectual political Left. At the end of this decade, he starts deepening his reflection on the notion of progress and progressivism, which we interpret as a reflection about the motives of his own breach with the Left. Chapters IV and V refer to the years after 2000. In chapter IV, we approach the quarrel of the "new judeophobia", i.e., the fundamental role played by P.-A. Taguieff in identifying the diffusion of a new judeophobic racism in France. We study the hostile reactions, mostly from Left intellectuals worried about the need of not stigmatizing youth. In chapter V, we evoke the dimensions of the contemporary debate in France around racism and anti-racism. We show that anti-racism ceased to be a coherent intellectual and political universe. On the contrary, it became divided and thus, weakened. This division and weakening contribute to explain - only partly however - the recent electoral evolution in France. Finally, chapter VI, conclusively, interrogates itself synthetically about what evolved or not in P.-A. Taguieff's reflection and intellectual production. We conclude, firstly, that P-A. Taguieff remained loyal to a patriotic anti-racist conception, rooted in the tradition of the French republicanism, precisely the tradition that many political and intellectual Left currents intend to leave behind, in the name of multiculturalism, cosmopolitanism and the "convergence of the fights"; and secondly, that from the very first texts, their interventions in the public debate aim at defending the plurality of ideas, the condition for the existence of a true public debate sphere.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2017-06-07
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.