• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Mémoire de Maîtrise
DOI
10.11606/D.8.2011.tde-21092011-142340
Document
Auteur
Nom complet
Juliana de Melo Corrêa
Adresse Mail
Unité de l'USP
Domain de Connaissance
Date de Soutenance
Editeur
São Paulo, 2010
Directeur
Jury
Passos, Deusa Maria de Souza Pinheiro (Président)
Coracini, Maria José Rodrigues Faria
Grigoletto, Marisa
Titre en portugais
Inglês escola (a)fora: representações de professor, aluno e língua estrangeira em uma ONG para o ensino de língua inglesa
Mots-clés en portugais
Análise do discurso
Língua inglesa
ONGs
Professor de língua inglesa
Voluntariado
Resumé en portugais
Este trabalho tem como principal objetivo analisar representações de aluno, professor e de língua inglesa presentes nos dizeres de voluntários de uma ONG que promove o ensino de inglês. A leitura de trabalhos sobre o terceiro setor nos mostra que as ONGs surgem para propor soluções a problemas detectados na sociedade. Desse modo, podemos inferir que o discurso sobre o insucesso do ensino de inglês nas escolas regulares está entre os elementos que possibilitaram o surgimento da ONG analisada. O corpus do estudo foi formado pela transcrição da gravação em áudio de entrevistas com oito professores voluntários. Para a análise da materialidade linguística, utilizamos conceitos do quadro teórico da Análise de Discurso, assim como o conceito de identidade discutido na visão dos Estudos Culturais e na perspectiva psicanalítica. A análise da materialidade linguística dos dizeres revelou que houve uma mudança no discurso a respeito do voluntariado em nosso país. Nos anos 70 e 80, essa atividade era pautada principalmente por motivações políticas ou religiosas, focando os assistidos e suas necessidades. Atualmente, os dizeres revelam que o voluntariado é perpassado pela discursividade de Mercado, e que o eu voluntário é o centro das decisões. A análise também nos permitiu observar o uso de metáforas espaciais na representação de aluno como aquele que, devido as suas carências, vive uma realidade diferente da do voluntário. Para encorajar o aluno a quebrar as barreiras que limitam seu espaço, os voluntários reforçam dizeres que defendem a possibilidade de sucesso a qualquer pessoa, dependendo de seus esforços. Ao mesmo tempo em que essa atitude pode valorizar a auto-estima dos jovens, ela pode reforçar o conceito de que, caso fracassem na realização de seus objetivos, serão os únicos responsáveis. Em algumas formulações, percebemos que o inglês ensinado pela ONG será oferecido aos alunos como outros itens o são por casas assistenciais. Ou seja, assim como cestas-básicas são oferecidas a famílias que precisam de um mínimo de alimento, a organização oferecerá aos alunos o que acredita ser o mínimo de inglês necessário para que possam sobreviver em um mundo globalizado. Dessa forma, a escola regular e seu professor são representados, pelo não-dito, como aqueles que não fornecem ao menos esse inglês elementar disponibilizado pela organização. Apesar de ser representado como pouco, o inglês ensinado pelos voluntários é caracterizado como suficiente para os jovens atendidos. Não há, nos dizeres analisados, a expectativa de que esses jovens possam, caso desejem, prosseguir seus estudos após o Ensino Médio e ingressar em uma universidade de qualidade. O inglês é representado como o instrumento essencial para que os alunos possam, ao deixar a escola, ingressar no mercado de trabalho, ainda que em posições consideradas menores. A ONG e a escola regular são, portanto, representadas como espaços no quais a língua inglesa não pode ser aprendida de forma bem sucedida. Essas representações reforçam, desse modo, o lugar já estabelecido dos institutos de idiomas como o único capaz de habilitar um estudante a aprender uma língua estrangeira em seu nível comunicativo.
Titre en anglais
English outside school: representations of teacher, student and foreign language in an NGO for the teaching of English.
Mots-clés en anglais
Discourse analysis
English language
English teacher
NGOs
Voluntary work
Resumé en anglais
This work aims at analyzing the representations of student, teacher and English found in the utterances of volunteers who work in an NGO that offers English classes to young people also studying at state schools. Articles about the Third Sector argue! that NGOs are created to propose solutions for societys problems. Thus, one can infer that the discourse about the failure of the English teaching in state schools is one of the elements that motivated the creation of this particular NGO. The corpus of analysis was collected from eight audiotaped and transcribed interviews with voluntary teachers. As to the analysis of the corpus linguistic materiality, we have relied on Discourse Analysis perspective, also focusing on the concept of identity as approached by Cultural Studies and Psychoanalysis. Through the analysis of the interviews we could notice that the concept of voluntary work has changed in Brazil. In the 70s and 80s, this activity was carried out based on political or religious reasons and geared towards the people being helped and their needs. Nowadays, what is said about voluntary work is influenced by the Market Discourse, and places the volunteer in the center of decisions. The analysis also revealed the use of metaphors of space to represent the students as people who, due to their lack of certain elements, live a reality different from that of the volunteer. In order to encourage students to break down the barriers that limit their space, the volunteers assert that anyone can achieve success, depending on their efforts. This attitude can boost students self-esteem, but it can also reinforce the idea that when one fails, he or she is the only one to blame. In some utterances, we can notice that the English taught in the NGO is offered to students as other items are offered by charities. The same way food vouchers are provided to families that lack the minimum food they need, this NGO will provide students with what they believe is the minimum English necessary for them in a globalized world. Therefore, state school and the teachers who work there are represented, through the non-said, as those who do not provide students with at least the minimum English they are supposed to find in the NGO. Although it is represented as little, the English taught by the volunteers is qualified as enough for the teenagers who are students in the NGO. In the utterances analyzed we could not identify expectations that these students, in case they want to, will be able to continue studying after High School and be part of a renown University. The English language is represented as the essential instrument for students to leave school and start working, even if it is in a position considered inferior. The NGO and the state schools are, therefore, represented as places where the English language cannot be learned successfully. This way, these representations reinforce the established position of Language Schools as the only institution able to make a student learn a foreign language in its communicative level.
 
AVERTISSEMENT - Regarde ce document est soumise à votre acceptation des conditions d'utilisation suivantes:
Ce document est uniquement à des fins privées pour la recherche et l'enseignement. Reproduction à des fins commerciales est interdite. Cette droits couvrent l'ensemble des données sur ce document ainsi que son contenu. Toute utilisation ou de copie de ce document, en totalité ou en partie, doit inclure le nom de l'auteur.
Date de Publication
2011-09-21
 
AVERTISSEMENT: Apprenez ce que sont des œvres dérivées cliquant ici.
Tous droits de la thèse/dissertation appartiennent aux auteurs
Centro de Informática de São Carlos
Bibliothèque Numérique de Thèses et Mémoires de l'USP. Copyright © 2001-2019. Tous droits réservés.