• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.8.2008.tde-08072008-193700
Documento
Autor
Nome completo
Marcelo Eduardo Redoschi
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2008
Orientador
Banca examinadora
Wataghin, Lucia (Presidente)
Lombardi, Andrea Giuseppe
Santurbano, Patricia Peterle Figueiredo
Título em português
O autor "florentino" da literatura suíça em língua italiana: Francesco Chiesa
Palavras-chave em português
Cultura
Italiana
Literatura
Suíça
Ticino
Resumo em português
REDOSCHI, M.E. O autor "florentino" da literatura suíça em língua italiana: Francesco Chiesa. 2008. 90 pag. Dissertação (mestrado) - Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. A Suíça é um país situado no centro da Europa ocidental e conta com quatro idiomas oficiais: o alemão, o francês, o italiano e o romanche. A Confederação Helvética possui vinte e seis unidades administrativas, denominadas Cantões, formados ao longo da história, que contam com um alto grau de autonomia. O idioma de Dante está presente como língua materna de boa parte da população do Cantão de Ticino e de quatro vales alpinos no vizinho Cantão Grisões, onde divide espaço com o alemão e o romanche. É apresentado o contexto formativo do italiano falado na região, que se padronizou em torno da norma toscana a partir do Séc XVI, graças à qualidade das escolas mantidas por religiosos como São Carlos Borromeo. Eram utilizadas as gramáticas e métodos mais modernos disponíveis na época. Nesta encruzilhada de civilizações, de área habitada equivalente à cidade de São Paulo e ABCD, surgiu Francesco Chiesa. Foi o primeiro escritor suíço a efetivamente a desbravar o árduo mercado editorial italiano, colocando assim o nome de sua região definitivamente nos manuais de língua e literatura. À sua numerosa produção em poesia e prosa, soma-se a longeva biografia (1871-1973). Destacam-se suas atividades como professor de língua, historia da arte, jornalista e defensor do patrimônio artístico e cultural de origem lombarda de sua terra. Em 1925 seria publicado Tempo di marzo, que se tornaria sua obra mais conhecida no exterior. Um retrato da sociedade agrária do Ticino do início do novecentos, o romance é uma transposição lírica da realidade histórica da região. À medida que o garoto Nino transcorre o final de sua infância, passamos a conhecer melhor a geografia, usos e costumes do Ticino de antigamente. Por sua escrita límpida, fluída, quase "manzoniana" o romance foi discutido e ensinado nas escolas do norte da Itália, como exemplo de redação em italiano padrão. Completado em 1943, Io e i miei, é uma obra 'moderna', dentro da estética Chiesiana. Lançado em pleno período da guerra, fatores logísticos impediram que o livro tivesse a merecida repercussão. Uma espécie de híbrido de conto e romance, lá são narrados os conflitos internos de uma família de viúvos recasados, da filha Serafina e do filho Manlio. São evidenciados sobretudo os dramas do pai. Um pessimismo e uma resignação lânguida, em contraste à jovialidade e alegria de Tempo di marzo, permeiam a narrativa. O registro melancólico dos vilarejos em decadência é comparado à extratos de Il fondo del sacco, escrito pelo romancista grisonês de temática realista Plinio Martini, cerca de trinta anos mais tarde. Francesco Chiesa foi o primeiro e o mais "florentino" dos escritores suíços de expressão italiana.
Título em inglês
The "florentine" author of Switzerland's literature in italian: Francesco Chiesa.
Palavras-chave em inglês
Culture
Italian
Literature
Switzerland
Ticino
Resumo em inglês
ABSTRACT REDOSCHI, M.E. The "florentine" author of Switzerland's literature in italian: Francesco Chiesa. 2008. 90 pag. Master's Thesis - Faculty of Filosofy, Letters and Human Sciences (FFLCH), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. Switzerland is a country located at the center of western Europe with four official languages: German, French, Italian and Romansch. The Helvetian Confederation has twenty-six highly autonomous administrative units, called Cantons, formed throughout history. Dante's language is present as the mother tongue of the bulk of Canton Ticino's population as well in four alpine valleys on the nearby Canton Grisons. There it shares space with Swiss-German and Romansch. The background for the formation of the Italian spoken in the region, which had standardized around tuscan rules from the sixteenth century - thanks to the quality of schools maintained by clerics such as Saint Charles Borromeo - is presented. The most modern grammars and teaching methods available at the time were used. At this crossroads of civilizations, with an inhabited area equivalent to the city of São Paulo and a few nearby suburbs, appeared Francesco Chiesa. He was the first Swiss author to effectively brave the italian book market, thus inscribing his region's name forever on the Italian language and literature textbooks. Added to his prolific production in prose and verse, is his longevous biography (1871-1973). Worthy of note are his activities as professor of italian, art history, journalist and supporter of his land's lombardic cultural and artistic heritage. In 1925 would be published Tempo di marzo, which would become his best known work abroad. A portrait of agrarian Ticino society at the early nineteen-hundreds, the romance is a lyric transposition of the region's historical realities. As the boy Nino moves toward the end of his childhood, we get to experience the geography, customs and traditions of yesteryear Ticino. By virtue of his clear, fluid, almost "manzonian" writing, the novel was discussed and taught at Northern Italy schools. It was used as a model in italian composition classes. Finished in 1943, Io e i miei, is a 'modern' work, within Chiesa's style. Released right in the middle of wartime, logistical factors prevented the book from having a much deserved accolade. A sort of hybrid between a short story and a novel, it narrates the internal conflicts of a family of remarried widowers, the daughter Serafina and the son Manlio. In evidence are the father's issues. A pessimistic tone, of quiet languishing and resignation, in contrast to the youthfulness and joy of Tempo di marzo strides the narrative. The melancholic account of deserted, decadent villages is compared to extracts of Il fondo del sacco, written third years later by the Grison native Plinio Martini, which had embraced realism themes. Francesco Chiesa was the first and most "Florentine" of Italian speaking Swiss authors.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2008-07-10
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.