• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.8.2015.tde-09102015-131731
Documento
Autor
Nome completo
Patricia Trindade Nakagome
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2015
Orientador
Banca examinadora
Hossne, Andrea Saad (Presidente)
Dalcastagnè, Regina
Lajolo, Marisa Philbert
Natali, Marcos Piason
Zilberman, Regina
Título em português
A vida e a vida do leitor: um conceito formado no espelho
Palavras-chave em português
Crítica literária
Humanismo
Leitor
Literatura comparada
Voz
Resumo em português
O leitor é elemento fundamental para a teoria literária, tendo sido abordado por diferentes correntes críticas. Mesmo quando não é objeto específico de investigação, ele deixa suas marcas no discurso crítico. Isso porque o crítico é essencialmente um leitor, cujas experiências e valores se fazem presentes na avaliação de um texto. Quando tais referenciais são mobilizados para tratar de livros não canônicos, frequentemente constróise uma imagem negativa de seu público. A primeira vida do leitor seria, assim, aquela constituída no discurso crítico, como objeto de análise ou como consequência da avaliação de uma obra. Essa representação do leitor é contrastada com a chamada segunda vida do leitor, que é anunciada pelo próprio leitor, com sua voz e seu rosto. Para nos aproximarmos desse leitor empírico, foram traçadas as histórias de cinco sujeitos, de modo a evidenciar como a experiência de leitura é muito mais complexa do que supõem algumas hipóteses traçadas a partir da imagem do próprio crítico ou de uma concepção bastante específica de literatura. Ao trazermos a primeiro plano, inclusive metodologicamente, o aspecto humano do leitor, aproximamo-nos do desejo de manter vivo o legado (humanista) da tradição literária, inclusive pelo seu questionamento. Tal legado é, paradoxalmente, por vezes defendido através de um ataque aos humanos leitores que formam a massa. Diante disso, desejamos pensar uma aproximação das duas vidas do leitor: a voz do sujeito e o discurso sobre ele, inclusive para apoiar a difusão da literatura que se valora. A nosso ver, isso passa por considerar formas de atuação condizentes com a democratização do acesso à literatura, com maior atenção a um espaço pouco privilegiado pela crítica: a escola. Nesse contexto, é indispensável que a crítica se abra ao encontro com o outro, numa aposta na alteridade, não num lamento diante do espelho.
Título em inglês
The life and the life of the reader: a concept formed before the mirror
Palavras-chave em inglês
Comparative literature
Humanism
Literary criticism
Voice
Resumo em inglês
The reader is a fundamental element for the literary theory and has been treated by different critical approaches. Even not being specific object of investigation, the reader leaves his mark in the critical discourse. This is because the Literary Critic is essentially a reader, whose experiences and values are present in his judgement of a text. When such parameters are mobilized in order to deal with non-canonical books, a negative image of the reader is often built. Then, the "first life" of the reader would be the one constituted by the critical discourse, as an object of analysis or as a result of the judgement of a work. This representation is contrasted with "the second life of the reader", which is announced by the reader himself, by his voice and his face. To get closer to this empirical reader, stories of five different people were drawn in such a way to evidence how their reading experience is much more complex than the hypotheses assumed by the image of the critic himself or from a very specific conception of literature. By focusing on the human aspect of the reader, even methodologically, we advance towards the desire of keeping alive the (humanistic) legacy of the literary tradition, also by questioning it. Such legacy is, sometimes, paradoxically defended by an attack on such human readers, who constitute the mass. On this regard, we want to consider an approximation of the "two lives" of the reader: the subject's voice and the discourse about him. This is also important to support the dissemination of the literature that is valued. In our view, it involves considering forms of action compatible with the democratization of access to literature, with greater attention to a place that is less privileged by critics: the school. On this context, it is essential that the Literary Criticism open itself to meet the others, in a commitment to alterity, not in a lament before the mirror.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-10-09
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.