• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.8.2017.tde-12062017-114205
Documento
Autor
Nome completo
Anna Carolina Botelho Takeda
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2017
Orientador
Banca examinadora
Carelli, Fabiana Buitor (Presidente)
Abdala Junior, Benjamin
Cardenuto Filho, Reinaldo
Cunha, Maria Zilda da
Marques, Davina
Título em português
Sofrimento, solidão e desordem: a representação trágica como meio político no cinema de Leon Hirszman
Palavras-chave em português
A falecida
Eles não usam black-tie
Leon Hirszman
Romantismo
S. Bernardo
Tragédia
Resumo em português
Esta tese tem como objetivo analisar três narrativas do cineasta Leon Hirszman: A falecida (1965), S. Bernardo (1972) e Eles não usam black-tie (1981) a partir do conceito de tragédia moderna, de Raymond Williams. A comparação sistemática entre as obras fez surgir o que se chamou nesta tese de trágico desalienante, uma vez que ao observar a maneira adotada pelo diretor, sobretudo, ao conduzir as suas personagens, evidenciou-se sua preferência por expor o sofrimento e a desordem dentro das narrativas com o intuito de produzir o conhecimento da realidade. Com isso, pôde-se constatar que o tom trágico empregado foi a opção estética de Leon Hirszman para levar adiante o seu projeto cinematográfico, fincado na ideia de cinema como instrumento político. Porém, em contraposição à valorização do trágico, muito em consonância com o contexto histórico repressivo imposto pela ditadura civil-militar no Brasil, vale apontar, com a reorganização do cenário nacional, uma retomada da perspectiva romântica, no sentido defendido por Michel Löwy e Robert Sayre, em Eles não usam black-tie, que se não recuperava o romantismo revolucionário proposto por Marcelo Ridenti ao analisar as obras produzidas no Brasil no começo dos anos 1960, resgatou a representação da esperança arrefecida com os anos de governo militar. Nessa direção, no cotejo das obras, atenta-se para o contexto histórico em que os filmes foram produzidos considerando-o como elemento estruturante de sua forma. Assim, se em A falecida, de 1965, começo do período ditatorial, há ainda espaço para um sutil humor que, de alguma forma, atenua o seu tom trágico; S. Bernardo, elaborado em 1972, no auge da repressão militar, impera o aniquilamento dos homens e a tragédia se instala sem respiro; por fim, como foi dito, em Eles não usam black-tie, realizado em 1981, período de abertura política e maciça insurreição dos movimentos populares, a perspectiva trágica cede espaço para a imagem da força da coletividade e, portanto, restaura certa visão romântica do mundo.
Título em inglês
Suffering, solitude and disorder: the tragic representation as a political medium in Leon Hirszman's cinema
Palavras-chave em inglês
A falecida
Eles não usam black-tie
Leon Hirszman
Romanticism
S. Bernardo
Tragedy
Resumo em inglês
This dissertation aims to analyze three films directed by Brazilian filmmaker Leon Hirszman A Falecida (1965), S. Bernardo (1972), and Eles Não Usam Black-Tie (1981) through Raymond Williams concept of modern tragedy. The systematic comparison of the films gave rise to what is referred to in this analysis as the dealienating tragic. Hirszmans aesthetic procedures, especially those concerning the characterization process, reveal a preference for depicting suffering and disorder in order to portray knowledge of the world. Through this process, one can conclude that the tragic tone was Hirzmans aesthetic choice to carry out his cinematographic project based on the idea of filmmaking as a political instrument. However, it is worth mentioning that, in contrast to this use of tragedy shaped by the repressive historical context imposed by the Brazilian civil-military dictatorship, in Eles Não Usam Black-Tie it is possible to notice a recovery of a romantic perspective, as defined by Michel Löwy and Robert Sayre. Although this procedure does not achieve what Marcelo Ridenti, in his analysis of works produced in Brazil in the early 60s, defines as the revolutionary romanticism, it reclaims the portrayal of hope, lost during the years of the military government. Therefore, the historical context will be considered as a defining feature of the films formal structure. Thus, while there is still room for subtle comedy that somehow mitigates the tragic tone found in A Falecida, a film produced in 1965 right after the beginning of the dictatorship, in 1972, at the peak of political repression, one finds in S. Bernardo the annihilation of men while tragedy takes hold of everything. Accordingly, as it was mentioned before, during the process of political opening and the massive insurgency of popular movements, in 1981s Eles Não Usam Black-Tie, the tragic perspective gives way to an image of the power of collectivity, recovering, therefore, a romantic view of the world.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2017-06-12
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2020. Todos os direitos reservados.