• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.8.2017.tde-23012017-111537
Documento
Autor
Nome completo
Francesco Antonio Capo
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2016
Orientador
Banca examinadora
Goldstein, Norma Seltzer (Presidente)
Caretta, Elis de Almeida Cardoso
Carvalho, Helba
Gebara, Ana Elvira Luciano
Título em português
Escritas da memória: autoria e identidade cultural
Palavras-chave em português
Autoria
Identidade sociocultural
Letramento
Memória
Resumo em português
O maior problema do professor na Educação de Jovens e Adultos é lidar com a multiplicidade de saberes e de modos de apreensão da realidade: os alunos chegam à escola com níveis variados de letramento e com um saber forjado por outros sistemas de cognição e de compreensão do mundo. Assim, este trabalho de pesquisa pretendeu estudar a relação entre letramento, escritas da memória e identidade cultural. O objetivo principal foi verificar até que ponto a prática pedagógica com escritas da memória contribui para o letramento de adultos oriundos de culturais orais e que tiveram pouco contato com a palavra escrita. Partiu-se da suposição de que o trabalho com as escritas da memória propiciasse o sentimento de pertencimento e levasse o aluno a construir uma imagem de si mesmo como sujeito-autor de sua escrita, compreendendo-a como prática social significativa. Com efeito, ao relembrarmos o passado, confrontamos valores, crenças e sentimentos do presente com valores, crenças e sentimentos do passado. Vozes, imagens, sons, cheiros, o passado nos assalta, e ressignificamos sentidos há muito perdidos. O espaço da memória é também o espaço da ressignificação: o espaço de construir e reconstruir representações e identidades, de acordo com os modos como, ao nos fazermos sujeitos da memória, nos ancoramos ou nos engatamos em um e não outro discurso, em um e não outro sentido. Ou seja, construímos representações do passado de acordo com as representações que fazemos do presente, e tanto umas quanto as outras são atravessadas pelas representações social e historicamente construídas.Há como que um liame ou um entrecruzamento de representações, a partir do qual forjamos uma identidade que é individual e ao mesmo tempo coletiva.Nesse movimento, negociamos significados e nos inserimos no jogo das configurações e reconfigurações das relações de poder que se consubstanciam no e pelo discurso.A metodologia desta pesquisa dividiu-se em três etapas: a aplicação de sequência didática abordando o gênero textual autobiografia e suas especificidades; coleta de dados (textos escritos pelos alunos, fichas de acompanhamento do processo ensino-aprendizagem, questionários de perfil sócio-econômico e cultural); por fim, a análise qualitativa dos dados.Fundamentaram esta pesquisa os conceitos de autonomia (FREIRE, 2002), agência (BAZERMAN, 2006, 2011, 2015; KLEIMAN, 2006), autoria (POSSENTI, 2002; TFOUNI, 2005, 2010), letramento ideológico (STREET, 2014) e memória coletiva (HALBWACHS, 1990; BOSI, 1979, 2003). Concluiu-se que, ao fazer da palavra escrita uma forma de reviver sua experiência por meio do discurso da memória, o aluno ressignifica a prática letrada, reconceitualiza-a: a palavra escrita lhe pertence e ele é pertencido por ela.
Título em inglês
Written memory: authorship and cultural identity
Palavras-chave em inglês
Authorship
Cultural identity
Literacy
Memory
Resumo em inglês
A teacher in Youth and Adult Education major problem is dealing with the multiplicity of knowledge and multiple ways of apprehending reality: students come to school with various levels of literacy and knowledge forged by other cognitive systems and ways of understanding the world. Thus, this research aimed at studying the relationship between literacy, written memory and cultural identity. The main objective was to determine to what extent pedagogical practices with written memory contribute to literacy of adults that came from oral culture or had little contact with the written word. We started from the assumption that the work with written memory propitiates the feeling of belonging and leads the students to build an image of themselves as a subject-author of their writing, understanding it as a significant social practice. Indeed, by remembering the past, we confront values, beliefs and feelings of this with values, beliefs and feelings of the present. Voices, images, sounds and smells; the past assaults us, and resignifies meanings long lost. Memory space is also the space of ressignification: the space where we construct and reconstruct representations and identities, according to the ways by which, as we becomea subject of memory, we "anchor" or we "engage" in one instead of another discourse, in one meaning instead of another. In other words, we build representations of the past according to the representations we make of the present, both contaminated by representations socially and historically constructed. There is a sort of bond or an intersection of representations, from which we forge an identity that is individual and collective at the same time. In this movement, we negotiate meanings and we insert ourselves into the set of configurations and reconfigurations of power relations that are embodied in and through discourse.The methodology of this research was divided into three stages: the application of didactic sequence addressing the genre "autobiography" and its specifics; data collection (texts written by students, monitoring reports of the teaching-learning process, socio-economic and cultural profile questionnaires); and last but not least, qualitative data analysis. We based this research upon the concepts autonomy (FREIRE, 2002), agency (BAZERMAN, 2006, 2011, 2015; KLEIMAN, 2006), authorship (POSSENTI, 2002; TFOUNI, 2005, 2010), ideological literacy (STREET, 2014) and collective memory (HALBWACHS, 1990; BOSI, 1979, 2003). We came to the conclusion that, by turning the written word into a way of reliving their experience through the memory discourse, students reframe literacy practice and reconceptualize it: the written word belongs to them and they are belongedby it.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2017-01-23
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.