• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.9.2015.tde-09112015-160449
Documento
Autor
Nome completo
Erika Yamada Batalha
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2015
Orientador
Banca examinadora
Landgraf, Mariza (Presidente)
Guth, Beatriz Ernestina Cabilio
Piazza, Roxane Maria Fontes
Título em português
Escherichia coli produtora de toxina de Shiga em vegetais orgânicos cultivados na região metropolitana de SP, São Paulo
Palavras-chave em português
Hortaliças
STEC
Vegetais orgânicos
Verduras
VTEC
Resumo em português
Escherichia coli produtora de toxina Shiga (STEC) está entre os patógenos envolvidos em surtos de doenças transmitidas por alimentos devido ao consumo de vegetais. No entanto, até agora, os relatos sobre a presença de STEC em vegetais no Brasil são escassos. Esse microrganismo é veiculado por alimentos, contaminados direta ou indiretamente por fezes animais, sendo responsável por um amplo espectro de doenças que compreende desde diarréia leve que pode evoluir para colite hemorrágica (CH), até síndrome hemolítico-urêmica (SHU) e púrpura trombocitopênica trombótica (PTT). O presente estudo teve como objetivo investigar a presença de STEC em vegetais orgânicos cultivados na região metropolitana da cidade de São Paulo, Brasil, caracterizando os fatores de virulência stx1, stx2, eae e ehx, bem como o sorotipo. Um total de 200 amostras de vegetais orgânicos (folhas verdes), obtido a partir de três produtores foi analisado quanto à presença de cepas de STEC. Caldo triptona de soja (TSB) suplementado com vancomicina (8 mg / L), cefixima (50 µg / L) e telurito de potássio (2,5 mg / L) foi utilizado na etapa de pré-enriquecimento, com incubação a 37ºC / 24 h, seguido por semeadura em MacConkey Sorbitol (SMAC) e CHROMagar STEC (CHROM). Após incubação a 37ºC / 24 h, as colônias suspeitas foram confirmadas por testes bioquímicos e submetidas a PCR objetivando a detecção dos genes de virulência stx1, stx2, eae, ehx, e os genes fliCH7 e rfbO157. Entre as 200 amostras de vegetais orgânicos analisadas, 30 (15%) foram positivas para E. coli, mas nenhum isolado apresentou os genes de virulência pesquisados. Nossos resultados indicam baixo risco de infecção devido ao consumo destes produtos frescos em São Paulo, Brasil. No entanto, são necessárias mais pesquisas, abrangendo um maior número de amostras e área pesquisada, uma vez que este patógeno já foi encontrado no meio ambiente em estudos anteriores e poucas pesquisas investigaram a presença de STEC em vegetais no Brasil.
Título em inglês
Shiga toxin-producing Escherichia coli in organic vegetables produced in the area of São Paulo city, Brazil.
Palavras-chave em inglês
Green leafy
Organic vegetables
Produce
STEC
VTEC
Resumo em inglês
Shiga toxin producing Escherichia coli (STEC) strains are among the pathogens involved in foodborne disease outbreaks due to consumption of vegetables. However, reports on the presence of STEC in vegetables in Brazil are lacking. STEC is an important pathogen transmitted by food, directly or indirectly contaminated with animal feces, responsible for a broad spectrum of diseases varying from mild diarrhea to hemorrhagic colitis (HC), syndrome hemolytic uremic (HUS) and thrombotic thrombocytopenic purpura (TTP). This study aimed at investigating the presence of STEC in organic vegetables in the metropolitan region of São Paulo city, Brazil, characterizing the virulence factors stx1, stx2, eae and ehx as well as identifying the serotype. A total of 200 samples of organic vegetables (green leafy), obtained from three organic producers was analyzed for the presence of STEC strains. Tryptic Soy Broth (TSB) supplemented with vancomycin (8mg/L), cefixim (50µg/L) and potassium telurite (2.5mg/L) was used in the pre enrichment step with incubation at 37°C/24 h, followed by plating onto Sorbitol-MacConkey (SMAC) agar and CHROMagar STEC (CHROM). After incubation at 37°C/24 h, presumptive colonies were confirmed by biochemical tests and submitted to PCR targeting the detection of stx1, stx2, eae and ehx virulence genes, as well as fliCH7 and rfbO157. Among the 200 organic vegetable samples analyzed for STEC strains, 30 (15%) were positive for E. coli, but none of them showed the virulence genes studied. These findings indicate low risk of infection due to the consumption of these fresh produce in Sao Paulo, Brazil. However, more research is required, covering a larger number of samples and area, since this pathogen has already been found in the environment in previous studies, and few research investigating the presence of STEC in vegetables has been reported in Brazil.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-11-18
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2021. Todos os direitos reservados.